sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Doação de órgãos: legislação atual é à prova de tráfico, dizem especialistas (ABTO no iG).


Reconhecido internacionalmente, processo de doação em casos de morte encefálica e transplante de órgãos no Brasil é rígido e seguro

 
Os números de doação de órgãos para transplantes são representativos. Em 2011, a taxa média de doadores no Estado de São Paulo, por exemplo, por milhão de população é de 19,5 – índice superior ao de países como a Argentina (14,3), cuja população estimada é semelhante à do Estado mais populoso do País.
Até 15 de setembro, segundo balanço da Secretaria de Estado da Saúde com base nos dados da Central de Transplantes, foram feitos 49 transplantes de coração, 89 de pâncreas, 1004 de rim, 420 de fígado e 21 de pulmão. Os dados não computam transplantes entre vivos.
O tema doação, porém, ainda gera dúvidas. E levanta receios, especialmente diante de casos como o do julgamento de três médicos de Taubaté, cidade do interior de São Paulo, acusados provocar a morte de quatro pacientes entre setembro e dezembro de 1986. Segundo denúncia do Ministério Público, os médicos usavam diagnósticos falsos de morte encefálica para extrair os rins dos pacientes vivos, para fins de transplante.
Considera-se potencial doador de órgãos todo paciente com morte encefálica. As principais causas são traumatismo craniano, acidente vascular cerebral (hemorrágico ou isquêmico) e tumor cerebral primário.
“Embora o coração continue batendo por algumas horas ou até dias, com a morte encefálica – quando uma área do cérebro chamada de tronco cerebral não tem mais atividade – o paciente não é mais considerado vivo. Só nesses casos podemos utilizar os órgãos para transplantes”, diz o médico Luiz Augusto Pereira, coordenador da Central de Transplantes da Secretaria de Estado de Saúde de São Paulo.
“O coração continua batendo com a ajuda de aparelhos e medicações específicas para manter a irrigação e conservar os órgãos. Com a morte encefálica, não há a menor possibilidade de reversão do quadro”, esclarece Ben-Hur Ferraz-Neto, presidente da Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO).
Antes de 1991 – quando o Conselho Federal de Medicina (CFM) regulamentou o protocolo do diagnóstico de morte encefálica – as instituições e equipes que trabalhavam com captação e doação de órgãos para transplantes se baseavam em legislações internacionais.
“O protocolo brasileiro para diagnóstico de morte encefálica é extremamente rigoroso, mais do que em outros países. Tudo para que se tenha absoluta segurança”, diz Pereira.
O processo da captação do órgão e seu encaminhamento para transplante é demorado – pode levar até 24 horas. Primeiro porque para o diagnóstico de morte encefálica são feitos dois exames clínicos, por dois médicos diferentes e sem nenhuma ligação com a equipe de transplantes, com intervalos de seis horas entre eles, além de um exame gráfico, que comprove que não existe mais irrigação do cérebro.
“Em alguns países, como a Inglaterra, só o exame clínico é suficiente para o diagnóstico de morte encefálica”, diz Ferraz-Neto.
Após a constatação da morte, a família do paciente é procurada. Por meio de uma entrevista, os parentes – de até segundo grau – podem optar ou não pela doação.
“A idade média de doadores após morte encefálica em São Paulo é de 40 anos. Ou seja, é uma pessoa jovem, geralmente vítima de uma morte súbita. É um momento extremamente difícil para a família”, explica Pereira.
Após a autorização, são feitos diversos exames no doador e só então é acionado o Sistema Nacional de Transplantes. O Brasil tem hoje um dos maiores programas públicos de transplantes de órgãos e tecidos do mundo. Com 548 estabelecimentos de saúde e 1376 equipes médicas autorizados a realizar transplantes, o Sistema Nacional de Transplantes está presente em 25 estados do país, por meio das Centrais Estaduais de Transplantes.
“Temos uma legislação absolutamente segura e transparente para dar credibilidade a todo o processo. Somos exemplo de política de saúde pública nacional e temos reconhecimento internacional. Desde a criação do Sistema Nacional de Transplantes, em 1997, não houve nenhum caso suspeito de tráfico de órgãos. Se aconteceu no passado certamente as pessoas pagarão por isso”, finaliza Ferraz-Neto.

Notícia publicada em: iG (19/10/2011)
Autor: Yara Achôa

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Que país é esse?!


Câncer é a segunda causa de morte no Brasil, afirma relatório do TCU


Trata-se de um país doente, que demora até cem dias pra começar um tratamento contra o câncer. Os números do TCU são dramáticos.


Doença terrível, o câncer é hoje a segunda causa de morte no Brasil. São 500 mil novos casos por ano. Um mal que o país não se preparou para enfrentar. Quem tem câncer tem pressa, mas o que a gente encontrou na rede pública foi fila de espera para começar o tratamento.
Um levantamento do Tribunal de Contas da União (TCU) mostra que as condições de tratamento no país são muito desiguais. No Sudeste há centros de excelência. No Norte sequer há tratamento em algumas regiões. Ou seja, o país ainda não está preparado para atender uma demanda cada vez maior de doentes.
O câncer é a segunda causa de morte no país. Entre os homens, o mais comum é o de próstata e entre as mulheres, o de mama. Em 2003, a professora Regina Correia Leite fez o exame que aponta a doença. Como o médico não deu retorno, ela achou que estava tudo bem, mas já tinha câncer. Só descobriu isso um ano depois e teve de extrair uma das mamas. Ainda hoje faz quimioterapia.
“Corri atrás de outro profissional, mas o nódulo já estava grande. Seria, talvez, minha cura um diagnóstico precoce”, comenta a professora.
O Tribunal de Contas da União (TCU) fez uma auditoria na política nacional de câncer. A situação é crítica na Região Norte. No Pará, apenas 40% dos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) conseguem fazer quimioterapia. Em Rondônia, só 6% dos doentes com câncer que precisam de cirurgia são operados. Já o Amapá e Roraima sequer oferecem radioterapia.
O país não se preparou para enfrentar a doença, que tem 500 mil novos casos por ano. Faltam leitos, equipamentos e profissionais. Muitas vezes a pessoa é diagnostica com câncer, mas não encontra vaga para iniciar o tratamento.
Os pacientes que precisam de quimioterapia aguardam, em média, 58 dias. A espera é ainda maior para radioterapia: cem dias. A demora reduz as chances de cura, que costumam ser de 90% em tumores em estágio inicial. Renata Vilhena Silva, advogada especializada em direito à saúde, diz que em casos extremos pacientes recorrem à Justiça.
“Existem decisões judiciais que obrigam, inclusive, o estado a arcar com o tratamento em um hospital particular. Ou manda operar, intima a Secretaria da Saúde para oferecer outro lugar, ou então em último caso o paciente pode pedir que seja pago o tratamento na rede privada”, orienta a advogada.
O médico Paulo Marcelo Hoff, diretor-geral do Instituto do Câncer em São Paulo, afirma que não há solução a curto prazo.
“É preciso que se faça um investimento no desenvolvimento de uma infraestrutura que possa dar vazão à demanda, ao numero de pacientes que estão surgindo. É preciso que se aumente o número de indivíduos que são treinados para fazer o atendimento a pacientes com câncer. É preciso também que a sociedade como um todo demande que haja um aumento na verba que é disponibilizada para que isso possa ser implementado”, defende o médico.
De acordo com o Ministério da Saúde, o Sistema Único de Saúde (SUS) ampliou o volume de recursos para tratamento contra o câncer no país em 22%. O ministério deve fechar o ano com investimentos de R$ 2,2 bilhões – R$ 400 milhões a mais do quem em 2010.

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Faça parte do banco virtual de doadores de sangue

Em Sant'Ana do Livramento você pode doar no Banco de Sangue na rua Manduca Rodrigues.



Ministério lança banco virtual de doadores de sangue




A ferramenta, disponível no Facebook, vai agregar candidatos para doação e marca o Dia Nacional do Doador Voluntário de Sangue
O Ministério da Saúde lança nesta quarta-feira (23) uma nova ferramenta de incentivo à doação de sangue, em sua página do Facebook, o Banco de Doadores virtual, em comemoração ao Dia Nacional do Doador Voluntário de Sangue (25). O aplicativo terá a missão de agregar e cadastrar doadores de sangue em todo o Brasil. Com de celebração do dia é Essa corrente precisa de você. Doe sangue”, a Coordenação Geral de Sangue e Hemoderivados pretende aumentar a doação voluntária.
Segundo o coordenador-geral, Guilherme Genovez, a proposta tem o objetivo de divulgar a importância da doação de sangue no cotidiano das redes sociais. “Esta é mais uma ferramenta para a campanha, temos que usar as redes sociais para mobilizar e engajar as pessoas que apóiam a causa. Precisamos fazer com que a ideia seja multiplicada e alcance o maior número de candidatos virtuais, para que depois estes efetivem sua doação concretamente nos serviços de hemoterapia”, explica. 


CADASTRO
O aplicativo servirá de apoio à campanha, realizada no período de 21 a 25 de novembro. O primeiro passo é participar do aplicativo e fazer sua doação de sangue virtual depois informar o seu tipo sanguíneo, preencher seus dados e convidar seus amigos. Com o Banco de Doadores, os usuários também poderão ver os seus amigos classificados por tipo sanguíneo. Isso significa que você não precisa doar imediatamente, mas comunica que se coloca à disposição para uma eventual doação.
Um dos objetivos é fazer com que o doador virtual convide o maior número de pessoas, residentes da mesma cidade, para fazer parte do Banco de Doadores, pois quando alguém ou o hemocentro da sua região precisar de doação, o banco servirá para acionar possíveis doadores.



Avise seus familiares! EU SOU DOADOR!

video

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Hospital treina médicos a darem o diagnóstico de morte encefálica


Não é nada fácil a tarefa de mostrar que quando uma vida termina, muitas outras podem recomeçar.

 

A notícia da morte de um filho, uma mãe, um irmão traz a imensa dor da perda. A família sente o vazio, a falta, e é nessa hora que profissionais de saúde precisam falar em doação. Não é nada fácil a tarefa de mostrar que quando uma vida termina, muitas outras podem recomeçar.
A mãe que chora a perda de um filho e o robô que se comporta como paciente: em parceria com o Ministério da Saúde, o hospital Albert Einstein treina em São Paulo coordenadores de transplantes de várias partes do Brasil. O processo começa com o que toda família que perde alguém precisa saber: como deve ser feito o diagnóstico da morte encefálica.
“A família vai encontrar uma pessoa respirando através de aparelhos, com o coração batendo, obviamente mantido através de medicações, e com alguns movimentos”, explica o cirurgião Renato Hidalgo, mostrando o robô que simula o paciente. ”Testamos não só a dor nos membros e nos troncos, mas também na face.”
“Ele não tem qualquer reflexo, então se eu abrir a pálpebra desse paciente, eu consigo encostar uma gaze, ou mesmo o dedo. Ele não tem resposta alguma. Isso mostra para nós também que o cérebro parou de funcionar”, acrescenta.
“O Brasil é um país que tem a lei mais rigorosa para o diagnóstico de morte encefálica. A gente precisa de dois médicos que deem o diagnóstico em momentos diferentes, com horas de diferença. Depois disso, é a necessidade de um exame de imagem que comprove que não existe nenhum fluxo sanguíneo no encéfalo”, diz o chefe do Programa de Transplante de Fígado do Hospital A.E./SP, Ben-Hur Ferraz Neto.
Os profissionais que conversam com as famílias nessa hora tão difícil não podem ter nenhuma ligação com equipes que fazem transplantes. A tarefa é garantir que o diagnóstico de morte encefálica seja feito, ter certeza de que os órgãos serão preservados e colocar a possibilidade de doação.
”Um profissional bem capacitado para realizar a entrevista familiar repercute em um resultado muito melhor”, garante o coordenador de transplantes João Luís Erbs.
Existe algo que pode ajudar muito profissionais como João: as conversas em família. O Brasil é grande e tem um povo generoso. Se cada um deixar claro sua vontade de ser um doador, a fila do transplante, a fila da vida pode andar muito mais rapidamente.
João não conhece os que esperam, mas pensa neles todos os dias. ”Quando eu vou dormir eu penso nisso, que o meu trabalho ajuda essas pessoas para que elas possam passar muitos outros natais, anos novos, ver os filhos crescerem junto da sua família. Isso é extremamente gratificante.”
Recomeçar é um direito que todos os brasileiros têm. Mais de 90% dos transplantes feitos no país são pagos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Pobres e ricos esperam na mesma fila.
O que médicos e pacientes precisam é da solidariedade dos brasileiros, que pode começar com uma picadinha na hora da doação de sangue. Um gesto simples que salva.
Inscrever-se no cadastro de doadores de medula também é fácil. Basta um exame de sangue. A retirada da medula pode ser feita com uma punção no osso da bacia ou com uma máquina que filtra o sangue em uma espécie de hemodiálise.
Sofia, de apenas 17 anos, está doando a medula para a irmã que tem leucemia. “Me sinto feliz em poder salvar a vida dela.”
Quem recebe, ganha vida. É o melhor motivo de todos para comemorar. É com bolo que os profissionais do transplante costumam marcar a data em que uma nova medula começa a funcionar. Quando as células de defesa se multiplicam. A festa dessa vez foi para o Guilherme. “Um alívio indescritível”, comemora a mãe do menino.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Médica na Alemanha corre para levar medula para menino no Brasil


O menino Guilherme terá que passar por um transplante de medula para se livrar de uma doença do sangue que o deixa desprotegido contra infecções.


A fila de transplante é muito mais que uma fila. Quem espera, tem rosto, nome e, sobretudo, história. São histórias que dão outra dimensão à palavra vida.
O geólogo Luis Claudio Anisio tirou licença do emprego. Acaba de se mudar para São Paulo. Foi na frente e agora espera pelo renascimento do filho. “A gente está considerando que agora vai ser a última grande internação dele para a cura”, torce.
Nos braços da mãe, chega Guilherme. Ele precisa de antibióticos fortíssimos para enfrentar ambientes como o do aeroporto. Gui vai ter que passar por um transplante de medula para se livrar de uma doença do sangue que o deixa totalmente desprotegido contra infecções por fungos e bactérias.
”Agora a gente vai direto para o hospital. Vai implantar um catéter nele para começar a quimioterapia para, depois, receber pelo mesmo catéter a medula”, explica a mãe, a economista Adriana Mezabarba.
Em um ano de vida, Guilherme passou meses internado com graves infecções. Aprendeu a brincar com os equipamentos do hospital. “Ele vai colocar amanhã o cateter. Aí começa a quimioterapia. Na semana que vem é o nosso grande dia”, conta a mãe.
Mas antes a luta será contra o relógio. O maior desafio de quem precisa de uma medula é achar um doador compatível. Guilherme encontrou o seu na Alemanha. É para lá que, quatro dias antes do transplante, a hematologista Andrea Tiemi Kondo, do Hospital A.E./SP, segue levando uma câmera do Globo Repórter. Já no aeroporto, a corrente de solidariedade para ajudar Gui ganha novos elos.
Andrea grava seus passos. Ela faz o check-in. “Nesse momento estou em uma briga para levar na mão as minhas duas malas, minha pequena mochila e a malinha para eu carregar a medula.”
Ela relata ainda que teve a sorte de encontrar o atendente do aeroporto Leonardo, que foi doador de medula para o irmão. “Ele acha que vai se emocionar. Então não quer contar muito. Mas eu tenho certeza que foi por causa disso que ele se empenhou tanto”, reflete a médica.
Enquanto isso, Guilherme vive uma contagem regressiva: sete dias de quimioterapia totalmente isolado no quarto do hospital. “Está tudo na agenda, tudo no calendário”, avisa a mãe.
“Nos primeiros dois dias de quimioterapia, ele teve uma reação ao medicamento que não estava muito previsto. O quarto é até grande, mas, para uma criança, nada é suficiente. Aí o cabelinho dele começou a cair. Da porta do quarto do hospital para dentro é só sorriso, só alegria, só brincadeira. Da porta para fora, aí são outros quinhentos”, relata.
Na Alemanha, Andrea também não para. Ela vai registrando momentos da viagem. Chega a Stuttgart. “Agora, vou pegar o ônibus para chegar ao destino do nosso doador de medula.”
O doador mora em Tübingen. É um jovem de 23 anos que, sem nunca ter visto o pequeno brasileiro, pode salvar a vida dele.
Andrea mostra o hospital que realizou a coleta de medula. “Nós não temos como entrar em contato com o doador. Esse é um sigilo guardado, até em questão de proteção ao doador”, ressalta.
A luta contra o tempo continua. Depois de coletada, a medula tem prazo de 48 horas para chegar até o receptor. A sincronia tem que ser perfeita. A quimioterapia de Guilherme acaba em um dia e, no outro, Andrea desembarca, ainda assustada com o risco que correu.
”Um voo atrasou. Eu quase perdi a conexão. Por eles saberem mesmo da importância disso, o voo ficou aguardando a gente chegar com a medula para que não atrasasse nada no nosso transplante”, relata.
De volta ao Brasil, praticamente sem dormir, Andrea vai direto para o laboratório do hospital. O doador tem tipo sanguíneo diferente do de Guilherme, e é preciso tirar essas células estranhas e preparar a medula.
Depois de 35 horas da retirada da medula na Alemanha, Andrea chega ao hospital com a bolsinha com as células. Uma bolsinha cheia de esperança que será transplantada para o corpinho de Guilherme. Agora, é se preparar para o momento e torcer muito.
Andrea revela que está nervosa. “A gente já faz isso há um tempo, mas é sempre uma grande expectativa. É um momento de muita alegria. A gente sempre fica um pouco ansiosa”, diz.
A família de Guilherme acena para a médica e vibra com a chegada da caixinha.
No quarto do hospital, cada gesto expressa uma emoção. Há alívio, medo e alegria – tudo ao mesmo tempo. Andrea sorri com seu tesouro nas mãos. O transplante será como uma transfusão de sangue. Gui exibe sua encantadora inocência.
Depois de meia hora, quase no final do transplante, Guilherme dorme - e o pai desaba, chorando.
Andrea sai do quarto e conta que, lá dentro, foi uma choradeira. “A gente vai fazendo exames diários e vamos avaliar quando começar a subir os leucócitos, que são as células de defesa. Essa vai ser a forma que a gente vai identificar que a medula pegou.”
”É incrível. Uma pessoa do outro lado do mundo, sem ele saber a quem, um ato de amor dele proporcionou toda essa felicidade para a gente”, comemora a mãe.
Tão longe e tão perto.


quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Gêmeos univitelinos doam órgãos para salvar a vida dos irmãos


Médico diz que o Brasil é o país com o maior sistema público de transplante do mundo. Em número absoluto, é o segundo em número de transplantes.


“Eu me sinto útil. Sabe quando você faz uma coisa que ninguém mais pudesse fazer? E eu fui lá e fiz”, diz o professor de educação física Marcelo dos Santos.
”Você nunca quer fazer uma cirurgia dessa, porque isso ia envolver uma pessoa que você gosta demais”, diz, emocionado, o administrador de empresas Newton Colombo Martini.
Newton e Marcus.
Marcelo e Camila.
Eles são irmãos, sabem o que é compartilhar experiências, cuidar um do outro e "aguentar um ao outro".
”Ela é a irmã caçula. É a mimada e eu sou o irmão rebelde. Eu sou o mais velho”, brinca Marcelo. “Eu era quem dava os cascudos em casa”, ri.
Ah, os cascudos.
”Ele às vezes aprontava na escola, na hora da saída todo mundo vinha para brigar comigo”, diz Newton.
Unidos desde o primeiro instante de vida, esses gêmeos univitelinos, idênticos mesmo, sabem o que é apanhar pelo outro, salvar um ao outro. Começou com as provas de biologia e química, que Newton achava difíceis e Marcus tirava de letra.
“Eu pedia para ele ir na sala de aula. A gente trocava relógio, essas coisas. Porque nós éramos muito parecidos”, conta Newton.
O que Marcus nem sonhava é que Newton iria retribuir compartilhando com o irmão um pedaço do próprio corpo. Eles tinham 26 anos quando os rins de Marcus, na época estudante de medicina, foram parando de funcionar por causa de uma inflamação que ele teve ainda na infância.
“Eu tomava um pote de sorvete. Ele não podia. Eu ia para um churrasco. Ele não podia. Então, sempre tinha aquela coisa de restrição”, lembra Newton.
Em uma tarde de 1992, Marcus chegou em casa com a difícil notícia de que precisava entrar na fila e esperar por um rim.
“De imediato a minha mãe se prontificou que ela daria o rim dela numa boa”, diz Marcus.
“Eu falei para a minha mãe: ‘Mãe, se a senhora doar ele vai ter que tomar remédio contra rejeição para o resto da vida. Se eu doar, se nós somos gêmeos univitelinos, acabou. É tudo igual’”, conclui Newton.
Era também entre os irmãos que a advogada Camila Mariano dos Santos precisaria encontrar um fígado compatível, ou seja, o mais parecido possível com o dela. Camila tem duas doenças autoimunes, a colangite e a hepatite. O sistema imunológico dela não funciona bem e ataca o próprio fígado como se fosse um inimigo.
“Era uma doença progressiva, rara e não tinha cura. A alternativa seria o transplante. Foi um baque porque a gente não espera receber essa notícia”, lembra Camila.
Camila emagreceu e viu a pele mudar de cor. Ficava em carne viva. Uma coceira terrível era o pior sintoma da doença, que demorou cinco anos para ser diagnosticada.
“A gente via que ela estava sendo torturada pela doença”, conta Marcelo.
O sofrimento e a falta de doadores falecidos fizeram com que os médicos de Camila optassem por um transplante mais arriscado: usar parte do fígado de um parente vivo.
“Esta é uma alternativa criada no Brasil, mas é uma alternativa de tratamento de exceção, porque ela coloca um indivíduo absolutamente são sob o risco da retirada de metade do fígado”, alerta o chefe do Programa de Transplante de Fígado do Hospital A.E./SP, Ben-Hur Ferraz Neto.
Professor de educação física, casado e pai de duas filhas, Marcelo tinha muito a perder. Mas não pensou duas vezes.
“Eu sou o mais velho dos quatro irmãos. Acho que bateu um peso de responsabilidade”, analisa Marcelo.
Deu compatibilidade. Mas o que sentem os pais ao verem dois filhos em macas a caminho do centro cirúrgico? O que sentem os filhos, a mulher do doador? O irmão doente ao ver o irmão saudável submetido ao risco?
“Na hora que os enfermeiros vieram pegar o Marcelo, foi muito difícil. Eu lembro que eu cheguei e falei: ‘Marcelo, não vá’”, diz Camila.
“Eu acho que foi a hora que mais mexeu com a família”, acrescenta Marcelo.
“A Camila estava doente, mas o Marcelo, não. E se acontecesse alguma coisa com ele?”, pergunta o pai José dos Santos.
“O único medo que eu tive foi de agulha. Eu tenho pavor de agulha. Eu falei: ‘Pode me tirar tudo que vocês querem tirar, mas não me deixa ver a agulha’”, lembra Newton.
Os momentos difíceis ficaram para trás. O primeiro gêmeo idêntico transplantado no Brasil nunca tomou remédio para rejeição.
“Eu estou quase completando 20 anos de transplante, levando uma vida saudável”, comemora o urologista Marcus Colombo Martini.
“Está até mais gordo que eu, come de tudo”, brinca Newton.
Camila pôde retomar o trabalho como advogada e Marcelo viu o espantoso poder que o fígado tem de se regenerar.
“Eu fui em uma consulta 60 dias depois. Eu estava com o fígado praticamente completo”, conta Marcelo.
“Tomo os meus medicamentos, que são os imunossupressores, mas fora isso a minha qualidade de vida hoje não tem comparação”, acrescenta Camila.
Tudo isso graças ao avanço da ciência, a batalha dos profissionais de saúde que lutam pelos transplantes e à generosidade de quem doa.
“Hoje, no Brasil, 60% dos transplantes são com doador falecido e 40%, com doador vivo. O Brasil é o país que tem o maior sistema público de transplante do mundo e em número absoluto é o segundo país no mundo em número de transplantes”, aponta o diretor do Hospital do Rim de São Paulo, José Osmar Medina.
Mas o desafio ainda é enorme. Segundo o Ministério da Saúde, hoje há mais de 50 mil brasileiros à espera de um transplante.
Fonte: www.g1.com.br

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

12 por 8



  1. O que é pressão arterial?
Pressão arterial é a força causada pela contração do coração e das paredes das artérias para impulsionar o sangue para todo o corpo, a fim de fornecer oxigênio e nutrientes para o funcionamento do organismo.


Quando a pressão está em 12 por 8 ou menos, tudo funciona bem. Mas quando a pressão está continuamente aumentada, alguns órgãos importantes, como o coração, o cérebro, os rins, os olhos e as próprias artérias, entre outros, sofrem maior desgaste e podem surgir doenças. Quando a pressão está acima de 14 por 9, os médicos diagnosticam a hipertensão arterial. Valores entre 12 por 8 e 14 por 9 são chamados de pré-hipertensão ou pressão limítrofe, já requerendo cuidados como controle do peso e do estresse, redução do sal na alimentação, abandono do sedentarismo e, em muitos casos, uso de medicamentos.


quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Uma mensagem que vale a pena repassar

Um dia para agradecer

O dia de finados é também para homenagear todos os heróis desconhecidos, que trouxeram vida nova a muitas pessoas.

O Dia de Finados é um momento especial para muitas famílias. Refletir sobre a vida e a morte, sobre a sociedade e sobre como ver o mundo. Lembrar do parente querido que se foi e homenageá-lo. Em alguns países, como no México, é um momento de festa. Lá a família costuma fazer a comida que o parente mais gostava. Usam máscaras e roupas que lembram a morte. A caveira está presente nas ruas, assim como lindos arranjos de flores. A celebração, independente do lugar, traz sentimentos de saudades, de amor, carinho e uma proximidade com Deus. O momento também pode ser de agradecimento.

Muitas pessoas desconhecidas e famílias solidárias tiveram, no momento mais difícil, um ato altruísta, de total amor à vida, e doaram os órgãos do parente querido que teve o diagnóstico de morte cerebral. Os catarinenses são solidários e ajudam a melhorar a vida de muitas pessoas que estão em risco de vida por não ter a função adequada do fígado, pâncreas, coração ou necessitarem de uma máquina de diálise para manter a vida. Além disso, podem ajudar as pessoas a ver o mundo de novo com o transplante de córnea. Muitos outros benefícios podem acontecer a outras pessoas.

O dia da doação é muito difícil para a família, pela perda, mas também é um momento que traz a possibilidade de dar vida. A recusa familiar continua sendo um dos principais motivos para não ocorrer a doação dos órgãos do paciente que teve o diagnóstico de morte. A razão principal é o desconhecimento, a insegurança, o medo da retirada dos órgãos desconfigurar o paciente, o que não acontece, e especialmente por não conversar em casa com o parente antes do momento tão doloroso. Quando colocamos em casa esta questão, em uma reunião familiar, no almoço de domingo, todos sabemos o desejo de cada um e não precisamos decidir a doação naquele dia tão difícil, de perda. A grande maioria das pessoas quer doar quando a morte chegar. Querem fazer um ato de amor à vida.

No Brasil, mais de 4.000 transplantes renais são realizados anualmente. Somos o terceiro maior país em número de transplantes no mundo. São muitos pacientes sem precisar fazer hemodiálise. Vamos completar mil transplantes na nossa história em Joinville. São pacientes de todos os lugares do Brasil. A mudança de qualidade de vida é visível. O paciente renal, quando realiza um transplante e vai para casa com o seu novo rim, pode tomar água e comer o que gosta. Ele sorri diferente. Sorri porque pode tomar um copo de água. Sorri porque não precisa fazer hemodiálise. Sorri porque pode ir viajar. Sorri para a vida.

Espero que este dia de finados seja um dia de relembrar, homenagear e agradecer todos os heróis desconhecidos que trouxeram vida nova a muitas pessoas.

Obrigado!

Por: Dr. Marcos Alexandre Vieira - Diretor Clínico da Fundação Pró-Rim

Fonte: www.prorim.org.br

2ª Mobilização para Prevenção da Doença Renal.

Foi na última sexta-feira de Outubro o dia Municipal de Combate e Prevenção a Doença Renal.
E a ONG Alô Rim Livramento organizou pela 2ª vez uma mobilização em parceria com empresas locais que sempre ajudam a comunidade.
Confira as fotos da Feira de sucesso.




Laboratório Dr. Bolívar entregando material para coleta de urina.


Equipe Alô Rim

As enfermeiras da Secr. de Saúde com vacinas e verificação da P.A

Farmácia Guimarães coletando o sangue.

Laboratório Dr. Pio fazendo a coleta para o exame.

Nossa 2ª Secretária entregando material informativo na entrada.

Foram realizados diversos exames gratuitos para a comunidade.

Agradecemos mais uma vez a participação das empresas:




SECRETARIA DA SAÚDE




E o apoio das empresas:



SECRETARIA DE CULTURA








terça-feira, 1 de novembro de 2011

3º Brechó de sucesso

Aqui algumas fotos do sucesso que foi nosso 3º Brechó Solidário Alô Rim, muito obrigada a todas as pessoas que doaram e as que compraram.
Vocês estão convidados para conhecer nossa nova sede na rua Senador Salgado Filho 470, que graças a sua ajuda foi possível reformar.

Nossa vitrine 

Recebemos muitas doações



Muitos livros bons e uma grande variedade de artigos de decoração.

Até uma rede de vôlei.

Muitos sapatos novos.

Voluntária Adriana, Secretária Fernanda, Valéria, voluntário Junior e nosso presidente Mario.
Abrimos as 8h e já estavam nossas clientes fiéis esperando.





Não temos palavras suficientes para agradecer a ajuda da comunidade, ver o resultado do nosso esforço pela nova sede é gratificante.
Agradecemos principalmente as voluntárias que estão sempre doando seu tempo para fazer o bem.
MUITO OBRIGADA!!!!!